Mesta Fusion. O super-radar que vai apanhar tudo e todos

O Mesta Fusion é o pesadelo dos infratores. Imagina um radar capaz de detetar todas as infrações que acontecem na estrada.

Identificar condutores em excesso de velocidade, detetar o uso de telemóveis ou a falta de cinto de segurança e controlar o respeito pelos semáforos, sinais “stop” ou das bermas: nada escapa ao Mesta Fusion, um radar que está atualmente a ser produzido pela Safran Morpho, uma empresa francesa de controlo de tráfego do grupo de telecomunicações Sagem.

Esta eficácia do Mesta Fusion deve-se a um sistema de monitorização inovador: um radar de 24 GhZ, uma câmara fotográfica de alta resolução de 36 megapixels e uma segunda câmara ligada a um software que analisa o comportamento dos condutores. Esta câmara é capaz de identificar separadamente cada veículo até 200 metros de distância e até 8 vias de trânsito (num só sentido). Todos os dados são transmitidos em tempo real para as autoridades.

É assim que funciona o Mesta Fusion:

Além das infrações referidas acima, o Mesta Fusion deteta ultrapassagens e inversões de marcha ilegais e até mesmo os condutores que seguem colados ao carro da frente e que não dão qualquer margem de segurança.

De qualquer forma, não se sabe ainda quanto irá custar nem se chegará a ser instalado nas estradas nacionais. Caso tal venha a acontecer, a única maneira de não ser apanhado é cumprir todas as regras de trânsito. Vá lá, não é assim tão difícil…

Retirado de razaoautomovel

Como funciona o radar de velocidade?

autoestradasPreventivos, punitivos, tributários… Existe muita controversia sobre a idoneidade dos dispositivos automáticos de controlo de velocidade. Este artigo não se destina a aprofundar esta polémica mas a aprender como funciona o tipo mais comum de cinemómetro: o radar.

Todos os tipos de de radar funcionam segundo o mesmo princípio básico: emitem uma onda eletromagnética em direção ao objecto a detetar, sendo esta onda refletida de volta para a antena. Analisando o sinal que retorna, podem ser conhecidas muitas características do objeto em questão.

As ondas eletromagnéticas são oscilações do campo eletromagnético que se propagam em linha reta à velocidade constante de 299 792 458 m/s, ou seja, um pouco menos de 300 000 km/s. Uns mil milhões de quilómetros por hora. A esta velocidade, seria possível dar a volta à Terra sete vezes e meia a cada segundo.

Ao número de oscilações que se produzem a cada segundo chama-se frequência. Os nossos olhos são capazes de ver as ondas eletromagnéticas que se produzem entre os 400 e os 800 mil milhões de oscilações por segundo; este tipo de frequências eletromagnéticas recebem o nome de luz. No entanto, as ondas utilizadas nos radares são frequências muito mais baixas.

Muitas pessoas pensam que o radar mede o tempo que o feixe eletromagnético demora a voltar à antena, mas isso não é verdade. Como a velocidade da luz é tão grande, o radar deveria ser capaz de medir tempos muito curtos, o que se torna muito difícil e dispendioso. Na realidade, o cinemómetro por radar baseia-se no efeito Doppler.

efeito-doppler

O efeito Doppler ocorre quando o recetor da onda se move em relação ao emissor ou vice-versa. Se o emissor se está a mover, significa que cada nova oscilação parte de uma posição ligeiramente diferente. Como consequência disto, a distância entre cada crista da onda será diferente. Pensemos, por exemplo, na onda emitida no mesmo sentido do movimento. Depois de emitir uma oscilação, o emissor desloca-se para a frente, fazendo com que a oscilação seguinte esteja mais próxima do que se o emissor estivesse imóvel.

Quando estas ondas mais próximas chegam ao recetor, parece-lhe que a frequência é maior. Contrariamente, as ondas emitidas no sentido contrário à marcha sofrem o fenómeno contrário: se o emissor se distancia do recetor, a frequência recebida é menor. Este fenómeno ocorre também com as ondas sonoras. É muito fácil notar isto nos automóveis de competição, o som é muito agudo quando se aproximam e, de repente, se converte em grave quando passam em frente e começam a afastar-se (daí utilizar-se a onomatopeia “fiiiiiuuuuuuuuu”).

Mas voltemos aos radares que vigiam as nossas estradas. Quando uma onda atinge o nosso automóvel, devido ao facto de este se mover a uma certa velocidade, a sua frequência muda. Bem, medindo a diferença na frequência, o radar pode saber a que velocidade se movia o veículo.

Mas não é assim tão simples. De novo, a diferença nas frequências é muito pequena devido ao facto de a velocidade a que circula ser muito pequena em comparação com a velocidade da luz. Para medir a frequência com tamanha precisão seriam necessários instrumentos muito caros e delicados.

No entanto, existe uma forma de poder medir alterações muito pequenas na frequência com facilidade: sobrepor a onda original e a refletida. Ao sobrepor duas ondas, as suas oscilações adicionam-se e formam uma única onda final. Se as duas ondas estão a oscilar para o mesmo lado, então a onda total terá o dobro do tamanho (interferência construtiva). Pelo contrário, se as duas ondas estão a oscilar em direções opostas, se anularão mutuamente e a onda final será muito pequena (interferência destrutiva).

pulso

No caso do radar, como as frequências das duas ondas são um pouco diferentes, o ritmo em que varia a direção da oscilação de cada uma também é diferente, como pudemos ver no diagrama anterior. Começam a oscilar ambas em direção ao mesmo sentido, o que faz com que a onda resultante (a laranja) seja maior. No entanto, ao fim de um bocado, oscilarão em sentido contrário, fazendo com que a onda laranja praticamente desapareça. E assim acontece ciclicamente.

Isto significa que a amplitude da onda total vai mudando com o tempo e se produzem pulsações. De novo, este fenómeno ocorre com todas as ondas; por exemplo, nas ondas sonoras utiliza-se para afinar instrumentos (i.e. se ao sobrepor um diapasão calibrado com uma corda de piano escutarmos pulsações, isto significa que a corda do piano não está bem afinada).

Pois bem, sabendo a largura de cada pulsação, o radar pode conhecer a frequência da onda refletida. E sabendo a frequência, calcula a velocidade a que se movia o nosso carro. Com um bom equipamento, bem calibrado, podem ser obtidas medições muito boas da velocidade. Por exemplo, numa experiência de laboratório do segundo ano do curso de Física, com uma antena de microondas e um osciloscópio, eu mesmo pude medir a velocidade de um comboio elétrico com uma precisão de 1%.

Retirado de circulaseguro

PSP divulga novas datas para acções de fiscalização de trânsito

560185_459260090796177_40530271_n

QUEM O AVISA…
A PSP informa que irá efetuar uma ação de fiscalização rodoviária – RADAR nos seguintes locais:
Porto – 13-Fev-13 08H00/12H00 Av. D. João II – Oliveira do Douro
Porto – 20-Fev-13 … 14H30/18H30 Av. Dr. Antunes Guimarães – Leça da Palmeira
Porto – 27-Fev-13 14H30/18H30 Estrada da Circunvalação – 15443
Elvas – 13-Fev-13 08H30/12H00 Estrada Nacional nº 346, Km 81/82
Portalegre – 19-Fev-13 14H00/17H00 Av. do Bonfim (junto à ex-direção de estradas)Portalegre Aveiro – 08Fev-13 14H00/20H00 Rua Direita – Aradas
Santa Maria da Feira –  13-Fev-13 08H00/14H00 Rua Dr. Manuel Laranjeira
S. João da Madeira – 15Fev-13 08H00/14H00 Av. Dr. Renato Ararújo
Ovar – 21Fev-13 08H00/14H00 Av. Dr. Sá Carneiro
Espinho – 27-Fev-13 08H00/14H00 Estrada Nacional 109, Km 4 – Silvalde

Saiba onde a PSP instalou radares de controlo de velocidade

Polícia vai revelar todos os meses alguns dos locais onde irá colocar os controlos de velocidade.

A PSP anunciou que vai passar a revelar todos os meses alguns dos locais onde
vão colocar controlos de velocidade feitos pelos seus radares. A informação,
revelada através da página do Facebook da PSP, será dada em nome da “aposta na
prevenção da sinistralidade rodoviária”.

Numa nota, a direção nacional da PSP adianta que vão estar disponíveis mnsalmente, na rede social do Facebook da Polícia, alguns locais onde são efetuados os controlos de velocidade pelos radares desta força de segurança.

Os locais foram escolhidos segundo ritérios de maior perigosidade, pretendendo a PSP “reduzir a velocidade dos veículos” que circulam nessas vias através da demonstração da presença de elementos policiais com aviso prévio, sublinha aquela força de
segurança.

Apesar da sinistralidade rodoviária ter vindo a decrescer, a PSP está preocupada com o número de infrações por excesso de velocidade, que este ano soma já as 37.902 contraordenações.

Veja como funciona a nova geração de radares

Fonte da direção nacional da PSP disse à agência Lusa que a Polícia não consegue
fazer uma comparação com 2011, uma vez que só este ano é que começou a
desagregar estes dados.

A PSP contabilizou este ano menos 3.782 acidentes, que resultaram em menos 30 mortos, menos 871 feridos ligeiros e menos 65 feridos graves.

A Polícia considera uma “medida inédita” a divulgação dos locais dos radares, que poderá contribuir para reduzir o número de infrações e criar um ambiente rodoviário mais seguro.

Segundo a lista divulgada, os radares da PSP vão estar na zona de Lisboa hoje, entre as 20:00 e as 00:00, no IP7, sentido sul/norte, e no dia 16 de outubro, entre as 14:00 as 19:00, em frente à tribuna do Estádio Nacional, no sentido CREL/Marginal.

A velocidade vai ser controlada, a 19 de outubro, às 19:00, na avenida D. João Alves, em Coimbra, e a 24 de outubro, entre as 22:00 e as 02:00, na reta do Cabo, em Vila Franca de Xira.

Os radares vão estar ainda, durante este mês e no dia 27, entre as 21:00 e as 01:00, na avenida General Amílcar Mota, nas Caldas da Rainha, e às 21:00 na avenida Arsenal do Alfeite, sentido sul/norte, no concelho de Almada.

Veja quais são alguns dos locais onde a PSP vai colocar os radares:

1. Local: Lisboa, via:IP7, sentido Sul/Norte. Data: 10 Outubro. Hora: 20h00 às 00h.

2. Local: Lisboa, via: EN 6-3 (frente tribuna do Estádio Nacional) sentido CREL-Marginal. Data: 16 Outubro. Hora: 14h às 19h.

3. Local: Coimbra, via: Avª D. Joao Alves – Tavarede. Data: 19 Outubro. Hora: 19h.

4. Local: Vila Franca de Xira, via: EN 10, na recta do cabo, em Vila Franca de Xira. Data: 24 de Outubro. Hora: 22h às 02h.

5. Local: Leiria, via: Avenida General Amílcar Mota – Caldas da Rainha. Data: 27 Outubro. Hora: 21h à 1h.

6. Local:Setúbal, via: Avenida Arsenal do Alfeite, sentido Sul/ Norte.
Data: 27 Outubro. Hora: 21h.

Fonte: autoportal