Renault prepara um carro eléctrico por 7.200€

O presidente da Aliança Renault-Nissan, Carlos Ghosn, anunciou que se prepara para lançar um automóvel eléctrico low cost. How low? 7200€. Para já, destinado ao mercado chinês.

Numa conferência organizada em Paris pelo The New York Times, Carlos Ghosn surpreendeu os participantes ao anunciar que, a médio prazo, a Aliança Renault-Nissan, que dirige, vai lançar um automóvel eléctrico low cost. Com ênfase no low, pois o preço prometido deverá ficar abaixo dos 8.000 dólares, cerca de 7.200€.

Ghosn, que começou como CEO da Renault e hoje lidera a marca francesa, para além da Nissan e da Aliança Renault-Nissan, conduziu as empresas que dirige para o mercado dos automóveis eléctricos em 2010 e, desde então, as vendas não param de aumentar. O Zoe da Renault e o Leaf da Nissan figuram hoje entre os três mais vendidos na Europa, enquanto o Leaf é ainda o 3º no ranking das vendas nos EUA (o Zoe não está disponível no mercado americano). No total, já são mais de 360.000 as unidades comercializadas 100% eléctricas.

A China, o país que enfrenta os mais graves problemas em termos de poluição ambiental do planeta, é também aquele que, por isso mesmo, mais tem impulsionado no último ano a venda de carros eléctricos. Aproveitando a joint-venture entre a Aliança franco-nipónica e a chinesa Dongfeng, que neste mercado oriental fabrica os modelos para a Renault e Nissan, o grupo liderado por Ghosn recorrerá aos seus parceiros locais para a fabricação do veículo com motor eléctrico, alimentado por baterias e com um preço extremamente competitivo (o que só possível porque a China é igualmente o produtor com maior potencial de crescimento de baterias).

É bom recordar que a Aliança Renault-Nissan, que já tem no Dacia Logan um veículo abaixo dos 10.000€ e vende o Kwid, na Índia, por cerca de 3.500€, está em perfeitas condições para impor um Kwid eléctrico, por exemplo, no mercado chinês por 7.200€. Obviamente, e se a China é uma prioridade imediata, o eléctrico low cost chegará necessariamente à Europa pouco tempo depois, sobretudo porque se há espaço para um Tesla superpotente por 100.000€, haverá muitos mais clientes interessados em adquirir um automóvel eléctrico a preços muito acessíveis.

Retirado de observador

Anúncios

Gasóleo a menos de 1 euro: saiba onde abastecer

imagem-gasoleo-abastecer-750x400@2x

O primeiro posto de abastecimento a vender gasóleo a menos de 1 euro foi o do Jumbo de Santo Tirso. Agora também o Pingo Doce vende gasóleo abaixo de 1 euro, mais precisamente a 99 cêntimos por litro.

Os preços dos combustíveis continuam a recuar para valores que já não estávamos habituados a pagar, ao nível dos praticados em 2009.

Os dados recolhidos pelo Dinheiro Vivo ajudam-nos a perceber a evolução dos preços em relação aos postos de referência.

Quem estiver por perto e decidir ir a Santo Tirso atestar o depósito, pode sempre levar também uma caixa de jesuítas. Afinal, nesta época natalícia, mais doce menos doce ninguém nota.

Jumbo e Pingo Doce estão vender gasóleo 20 cêntimos abaixo das gasolineiras de referência (BP, Galp, Repsol) e 18,5 cêntimos abaixo da média nacional, uma diferença que se tem acentuado nas últimas semanas (a diferença era, em média, 12 cêntimos por litro em relação às gasolineiras de referência). Nos postos de combustível Prio que têm parceria com o Pingo Doce também é possível abastecer a menos de 1 euro.

Para os petrolheads que dispensam o gasóleo, a gasolina mais barata está no Intermarché: 1,20 euros o litro (14 cêntimos inferior à media nacional e 15 cêntimos inferior em relação aos postos de referência).

Retirado de razaoautomovel

Novos pneus low cost da Rodatec

NOVOS-PNEUS-LOW-COSTA marca Rodatec é distribuída pelo Grupo Soledad, tendo agora dois pneus verdadeiramente de combate, porque prometem boas prestações, por um preço mais do que competitivo. O primeiro desses pneus é o N1000, um pneu de altas prestações direccional, enquanto que o segundo é o CP661, um pneu de alto rendimento quilométrico para viaturas de turismo.

Preço à parte, os novos pneus Rodatec  obedecem a um conceito actualizado e foram desenvolvidos com os critérios e meios de I+D+i mais evoluídos do momento. De resto, o ” segredo ” para ter pneus  de grande eficiência energética e alto rendimento quilométrico já todos sabem: compostos de silício!

Voltando ao Rodatec N1000, é recomendado para condutores que gostem de uma condução desportiva e privilegiem a segurança acima de tudo. O desenho da banda de rolamento em forma de setas obriga a uma montagem unidirecional, mas torna o pneu muito estável a altas velocidades e em curva, mantendo grande conforto de condução e baixo nível de ruído.

Quanto ao Rodatec CP661, trata-se de um pneu menos ambicioso em termos de performances, mas compensa essa limitação com elevado rendimento quilométrico, bom conforto de condução, baixo nível de ruído e boa estabilidade em estrada. Possui uma excelente drenagem de água, tornando-se muito resistente ao aquaplaning e com boa resposta sobre piso molhado.

No Grupo Soledad preferem ligar a imagem dos seus pneus Rodatec a uma filosofia “slow” ao volante, que se traduz por dar atenção à condução e a tudo o que se passa à volta, em vez de cerrar os dentes e tentar chegar o mais rápido possível ao destino!

Fonte: jornaldasoficinas

Fiat quer carro global low cost

11122012_fiatemerg_500

Há algum tempo atrás, foi veiculada a intenção da Fiat produzir um pequeno modelo abaixo do Uno no Brasil, naquele que seria um sucessor espiritual do Mille (na imagem). No entanto, segundo a imprensa indiana, um projeto semelhante também está a ser considerado. Trata-se de um modelo de pequenas dimensões e de preço acessível que deverá ser fabricado para o mercado local assim como para outros mercados emergentes. O projeto deste carro global low cost contempla um modelo para competir com o Maruti Alto e o Hyundai Eon, o que poderia potenciar as vendas da marca italiana no mercado indiano.

A intenção da Fiat é fazer um modelo bastante barato, mas nunca a ponto de competir com o Tata Nano, sendo antes um adversário para o VW Up, por exemplo. O projeto da Fiat para a Índia deverá demorar mais alguns anos, já que a marca quer consolidar-se nesta região.

Entretanto, Mike Manley, chefe de operações para Ásia da Fiat-Chrysler e responsável pela Jeep à escala global, disse em entrevista à NDTV que a Jeep será também lançada na Índia na segunda metade de 2013.

Fonte: autohoje

Volkswagen pondera criação de uma submarca low-cost com preços até 10 mil euros

Impulsionada pelo sucesso de projectos como o da Renault, com a Dacia, a Volkswagen prepara-se para seguir os passos do construtor francês e, a exemplo também da Nissan, que quer fazer regressar a Datsun, lançar uma marca low-cost.

A notícia foi avançada pelo site Automotive News Europe, que, citando fontes do Grupo Volkswagen, fala do interesse do construtor germânico em possuir uma marca através da qual pudesse comercializar, nos mercados ditos emergentes e até mesmo em alguns países europeus de menor capacidade financeira, veículos com preços entre os 5.000 e 10.000 euros.

Esta submarca contaria, de resto, não apenas com um único modelo, mas com uma gama, da qual fariam parte uma berlina de quatro portas, uma carrinha e um pequeno MPV.

Ainda de acordo com a revista alemã Auto Bild, estes veículos teriam como base gerações anteriores de modelos Volkswagen (motores e transmissões) e não disporiam de qualquer equipamento adicional, como airbags, para assim manter baixos os preços de venda ao público.

Contudo, no caso dos airbags, tal solução só poderia ser colocada em prática nos mercados emergentes, já que, na Europa, estes sistemas de segurança são obrigatórios.

Fonte: diariodigital