Novo Serviço para Clientes/Condutores LeasePlan – Aplicação de Georeferenciação de Fornecedores

Agora num clique tudo fica mais perto. A LeasePlan Portugal acaba de lançar uma aplicação própria de georeferenciação que permite aos seus Clientes / Condutores uma fácil consulta e acesso aos fornecedores preferenciais da LeasePlan.

Acedendo a http://fornecedores.leaseplan.pt/ é possível encontrar oficinas, reboques, rent-a-car’s, casas de pneus, entre outros serviços, introduzindo apenas o tipo de serviço, a marca do automóvel e o local ou morada onde se encontram. Como resultado da pesquisa o utilizador receberá informação sobre quais os 5 fornecedores preferenciais, mais próximos, com os respectivos contactos.

Uma das inovações deste serviço consiste na apresentação adicional das distâncias, percursos e tempos de deslocação previstos entre o local onde se encontram e o fornecedor preferencial.

A LeasePlan orgulha-se de ter como objectivo o incremento da qualidade do serviço prestado a todos os seus Clientes, e como tal pretende disponibilizar as soluções mais completas e inovadoras do mercado.

Frota: clube do condutor leaseplan

Nota do autor: este não é um artigo de publicidade, mas dada a relevância da aplicação mencionada, a sua publicação é totalmente relevante para qualquer Gestor de Frota.

Anúncios

Dekra analisa fobias nos túneis

Um inquérito realizado a uma amostra de 1.200 condutores que visitam regulamente as inspeções de veículos da DEKRA, permitiu chegar a algumas conclusões sobre os medos que assaltam os condutores ao percorrer túneis rodoviários. Uma delas é que cerca de metade dos condutores (46%) “sempre” ou “algumas vezes” sentiram medo ao conduzir num túnel.

No entanto, entre as condutoras o medo é quase o dobro do que nos homens (67% contra 36%), se bem que um terço dos condutores não se sinta muito tranquilo ao atravessar um túnel, especialmente os mais longos. De facto, uma em cada cinco condutoras (20%) evitam passar num túnel mais longo. Entre os condutores, apenas 7% faz essa opção. Os jovens condutores até 25 anos tentam evitar também os túneis (15%). Globalmente, um em cada  nove condutores (todos os sexos e idades) preferem fazer um desvio par evitar um túnel (12%).

O receio aumenta se houver um engarrafamento no túnel (em 39% dos homens e 55% das mulheres), especialmente os condutores mais idosos. Destes, 41% consideram que os túneis rodoviários, em particular os que se localizam fora do seu país, não aparentam muita segurança.

Mesmo assim, 54% dos condutores consideram que os túneis se têm vindo a tornar mais seguros nos últimos anos, embora 31% entenda que mais alguma coisa devia ser feito nesse sentido. A este respeito, 55% dos condutores sugerem que deveriam existir mais telefones de emergência, enquanto que 49% gostariam de ver uma ventilação mais reforçada. Melhor iluminação (47%), mais sinalização informativa (47%) e mais saídas de emergência (47%) são outras ideias para tornar os túneis rodoviários mais seguros, segundo os condutores entrevistados.

Fonte: jornal das oficinas

Automóveis ambientalmente corretos

Segundo a Gt Motive, há dez maneiras de assegurar que um veículo não constitui uma ameaça para o meio ambiente. A crise económica e a queda dramática das vendas de carros novos estão a envelhecer o parque automóvel, cuja idade média em Portugal e Espanha é de oito anos, com 32%  desse parque já com mais de 10 anos. Acontece que ao tornar-se mais velho, o veículo torna-se mais poluente, devido à sua tecnologia mais obsoleta e às maiores necessidades de manutenção. Oportunamente, a Gt Motive, empresa especializada em gestão da informação do pós-venda, deixa aqui 10 formas de verificar se um veículo está a tornar-se um resíduo perigoso e como evitar que isso aconteça.

1 – Efectuar uma revisão à bateria e ao sistema de ignição (velas de ignição ou de incandescência). Nas velas de ignição, os eléctrodos devem estar em bom estado.

2 – No capítulo do motor, combustão e injeção, os injectores devem estar isentos de qualquer sujidade ou impurezas. A bombas de injeção devem ser limpas. Sempre que estes componentes estão em mau estado, o veículo torna-se ineficiente, gasta mais combustível e polui mais. Os dispositivos de recirculação de gases de escape surgiram para eliminar os óxidos e azoto e de enxofre, mas certos condutores utilizam-nos para obter maior rotação do motor, aumentando a poluição atmosférica.

3 – Revisão do sistema de climatização. Substituir o filtro de habitáculo, que torna o ar condicionado menos eficiente. O uso incorreto da climatização (frio excessivo ou janelas abertas, por exemplo) fazem subir o consumo de combustível mais 15%. Substitui o gás refrigerante por R134-A, que não tem CFC, químico que provoca efeito de estufa.

4 – Utilizar lubrificantes especificados e controlar regulamente os níveis de óleo, água e fluido de travões. Níveis baixos provocam avarias e acidentes, aumentando o potencial de poluição do carro. Só o facto de utilizar um lubrificante não especificado aumenta o seu consumo 3%.

5 – Verificação dos filtros de ar e de combustível. Quando estes filtros estão sujos ou obstruídos, o motor perde potência, aumenta o consumo de combustível e sobem as emissões de escape. O desgaste dos componentes de injeção e do motor também aumentar e desse modo também a poluição.

6 – Verificar o estado das correias, pois correias em mau estado provocam sobreaquecimento do motor e avarias diversas.

7 – Revisão dos travões. Este aspecto tem mais ligação com a segurança, mas não deve ser omitido que os materiais de fricção, como as pastilhas de travão, têm que ser reciclados à parte de outros resíduos, como as sucatas.

8 – Revisão da direção e suspensão, pois a geometria do chassis desalinhada aumenta o consumo de combustível e de pneus.

9 – Revisão do estado dos pneus, principalmente a sua pressão insuficiente, que faz aumentar o consumo de combustível (+3%), desgasta os pneus e provoca acidentes.

10 – Verificar fugas e nível de emissões de escape. Um motor desafinado aumenta o consumo pelo menos 9%. Os catalisadores e a gasolina sem chumbo são factores chave do controlo das emissões de escape. Nos veículos mais recentes, os gases de combustível e vapores do óleo do cárter são queimados nos cilindros, mas os respectivos sistemas de captação têm que estar em bom estado de funcionamento.

Efectuar a manutenção prevista no livro de revisões do construtor e a chamada manutenção preventiva são formas de não agravar o nível de poluição dos veículos e de os manter seguros. O papel das oficinas é muito importante, segundo a Gt Motive, para esclarecer os condutores e torná-los mais responsáveis e solidários com as gerações futuras.

Fonte: jornal das oficinas

O International Fleet Managers Institute publica lista de tarefas para Gestores de Frota para lidar com a crise

É tempo de arrumar a frota da sua empresa? O International Fleet Managers Institute acha que sim e fez um workshop em Junho com vários gestores de frota europeus, a quem foi dado o objetivo de elaborar uma lista de tarefas a fazer para ultrapassar a crise.

O documento acaba de ser publicado e tem sugestões para as seguintes àreas:

– TCO e Controlo de Custos

– Combustível e CO2

 – Procurement

– Gestão da Frota e da Mobilidade

– Política de Frotas

– Responsabilidade e Sensibilização do Condutor

Entre os pontos referidos, encontram-se sugestões para renegociar contratos, alargar o leque de fornecedores, aumentar a duração dos contratos, incluir os impostos como parte importante do TCO, encarar outras formas de mobilidade além do automóvel ou definir as políticas de atribuição do carro.

(Descarregue a lista em PDF)

Fonte: baseado num artigo da fleetmagazine

Sete Pecados Mortais do mundo automóvel

Raiva: Toyota Tacoma Pikes Peak

O Toyota Tacoma não é apenas o mais enraivecido Toyota de sempre, mas provavelmente o carro mais enraivecido do planeta. Desde as suas vitórias em 1998 e 1999 na prova de Pikes Peak nos Estados Unidos, o Tacoma tornou-se num ícone desta competição.

Conduzido pelo neozelandês Millen, o carro conquistou mais uma vez o público, desta feita no Festival de Goodwood of Speed em 2007 onde parece querer matar o piloto a cada metro que percorre e quase devora um Range Rover no final…

Gula: Lamborghini LM002

Apenas uma marca como a Lamborghini seria capaz de desvendar um carro como o LM002 (é importante ressaltar que o Humvee foi produzido pela primeira vez em 1984). Lançado em meados da década de 80 (1986 para ser mais exato), estava equipado com um motor V12 a gasolina de 7,2 litros utilizado nas lanchas Classe 1 de alto mar ou com um relativamente modesto motor a gasolina 5,2 litros V12 do Countach e pesava 2,7 toneladas sem carga. Felizmente tinha um depósito de combustível com 290 litros.

Podem ser estabelecidas ligações com os dias de hoje, com a Bentley e a Lamborghini a apresentarem os seus novos SUV, com o mercado-alvo a não incidir sobre os tradicionais enclaves europeus, mas as paisagens arenosas do Médio Oriente.

O LM002 simboliza uma era de excesso e de gula um pouco antes da crise de 1987 quando os mercados de ações em todo o mundo quebraram. O LM002 acabou por tornar-se obsoleto, mas estava criado um mito.

aqui o que pensava o britânico Jeremy Clarkson do programa Top Gear sobre o LM002

Preguiça: O carro alugado de 1,0 litros!

Já todos estivemos nesta posição, aterrarmos num destino idílico que tínhamos reservado para a nossa semana de merecido descanso e seguimos até ao balcão de aluguer de automóveis com trepidação.

Que carro nos vai calhar? Espera-se que tenhamos direito a algo melhor, mas é improvável porque reservamos a opção mais barata possível e, em seguida, apostamos que a opção hatchback económico teria espaço para a nossa bagagem, barbatanas, prancha de windsurf e os nossos corpos cansados. Eis que recebemos as chaves do supermini de 1.0 litros que reservamos e com o ar condicionado a tossir um ar levemente fresco para os nossos rostos preparamo-nos para uma batalha por estradas desconhecidas.

O que acabamos por perceber quando puxamos por ele na autoestrada, provavelmente com uma ligeira inclinação, é que o nosso carro novo, repleto com jantes de 13 polegadas, é pateticamente lento e precisa de 6000 agoniantes rotações para chegar ao hotel sem atrasar o agricultor local em cima do seu trator.

Cruza os dedos para teres sorte com o hotel.

Ganância: Mercedes Pullman/Zil

Quando falamos sobre as ditaduras da guerra fria associamos imediatamente a limusinas negras que transportavam a elite pelas estradas da África Central e Europa de Leste.

O Mercedes Pullman já transportou Idi Amin, o presidente Ferdinand Marcos, das Filipinas, Saddam Hussein e até o Papa. O carro está equipado com um potente, para a época, motor de 6.3 litros e circulava sobre uma complexa suspensão de ar.

A versão Laundaulet é a mais emblemática e a sua produção terminou em 1980, embora tenha havido uma desaceleração na produção após a crise do petróleo de 1972. Conhece aqui um pouco mais deste luxuoso automóvel.

A Zil produz camiões tão bem como carros, mas é pela divisão de limusinas que é mais famosa, apesar do seu baixo rendimento. Têm preços semelhantes aos carros da Rolls-Royce e da Maybach e tendem a transportar ministros de governos.

Este anúncio transmite realmente o que era a URSS!

Orgulho: BMW Série 3

Acima de tudo o Série 3 tornou-se num símbolo de status para os gestores de nível médio. Claro que é um carro muito bom, possivelmente o melhor carro à venda hoje em dia, mas é também um símbolo para muitas pessoas que o compraram e que querem que toda a gente saiba disso.

O Série 3 moveu-se com os tempos na Europa Ocidental. Antes o homem comum conduzia um Mondeo e era chamado o “Mondeo man”, mas hoje o Série 3 vende mais que o Ford. Ficamos mais ricos e o crédito foi durante muito tempo mais acessível. O Série 3 simboliza estas mudanças como nenhum outro carro. E nós estamos orgulhosos disso.

Luxúria: Mercedes 300SLR (carro número 722)

O carro mais valioso do mundo? É largamente reconhecido que se alguma vez chegasse ao mercado o carro número 722 conduzido por Stirling Moss e co-pilotado por Dennis Jenkinson seria exatamente isso.

O carro número 722 venceu a Mille Miglia em 1955, com um tempo de 10h7m48s e uma velocidade média de 157,5 km/h. Moss e Jenkinson fizeram-no sem descansar e com o uso pioneiro de notas de traçado. O carro pesava apenas 810 kg, mas era alimentado por um motor de oito cilindros em linha de 310cv que estava equipado com válvulas desmodrómicas. No entanto, o carro número 722 deveria pesar bem mais com o depósito de 260 litros a transbordar.

Imagina-te a voar pelas estradas do interior de Itália a 290km/h, apenas com travões de tambor ou paredes de pedra para te fazerem parar e o facto de teres estado ao volante durante 10 horas seguidas e vais entender o porquê deste carro ser tão incrível.

É o carro que qualquer colecionador bilionário gostaria de ter no seu museu, mas ninguém vai ter essa sorte porque a Mercedes Benz nunca o vai vender. O carro número 722 faz parte da história da marca.

Inveja: Porsche 911 Turbo

Os que têm e os que não têm. Existem em todo o mundo, mas mais ainda no mercado financeiro. Mas afinal o que é que estes especuladores citadinos conduzem? O melhor de Stuttgart com certeza.

Escolhi o Turbo  porque é o que eu associo mais aos corretores de bolsa de fatos às riscas. Tem um kit de carroçaria e a palavra Turbo no nome. O que mais poderiam eles querer?

Incluí este vídeo de um RUF Yellowbird simplesmente porque este artigo é gratuito por natureza, e vou utilizar alegremente qualquer desculpa para ver este vídeo!

Fonte: autoviva

Condutores de ligeiros revalidam carta aos 30 anos de idade

Os condutores de veículos ligeiros vão passar a revalidar a carta de condução aos 30 anos e os motoristas de pesados passam a fazê-lo aos 25 anos, segundo as novas regras que entram em vigor em Janeiro.

O Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres (IMTT) indica que a carta de condução vai ter novas regras a partir de 2 de Janeiro de 2013, tendo em conta o novo regulamento da habilitação legal para conduzir, que já foi publicado em Diário da República.

As novas regras estabelecem que, a partir do próximo ano, a revalidação da carta de condução se inicia aos 30 anos para os condutores de ciclomotores, motociclos e ligeiros e aos 25 anos para as restantes categorias.

Segundo o IMTT, os condutores de automóveis ligeiros e de motas vão ter de revalidar o título de 10 em 10 anos até aos 60 anos de idade, passando o tempo a ser encurtado para cinco anos e, depois, para dois anos a partir dos 70 anos de idade.

Para os motoristas de pesados, os prazos de revalidação são sempre de cinco anos até aos 65 anos de idade, sendo esta a idade limite para conduzir este tipo de veículos.

O IMTT adianta que os novos prazos de validade só são aplicáveis para as cartas emitidas após 2 de Janeiro de 2013, mantendo-se os títulos anteriores a 2013 com a validade que consta na carta actual.

As novas regras indicam que a revalidação é meramente administrativa aos 30 e 40 anos para os condutores de ligeiros e aos 25 anos para os motoristas de pesados.

O exame médico e psicológico mantém-se obrigatório para a revalidação da carta a partir dos 50 anos para as categorias de ciclomotores, motociclos e ligeiros, enquanto para as restantes categorias é a partir dos 25 anos.

O novo regulamento exige igualmente um “maior rigor na avaliação da aptidão física e mental”, tornando-se “mais exigentes no que respeita às condições de visão, diabetes e epilepsia”.

O IMTT indica ainda que, a partir de 2 de Novembro, a prova teórica vai passar a ter a validade de um ano e terá 40 questões, além de ser introduzida a condução independente durante a prova prática e é reduzido o número de faltas que conduzem à reprovação na prova prática.

Fonte: Publico

 

Motociclos sujeitos a inspeções obrigatórias a partir de agosto

Primeira inspeção é feita aos quatro anos e, em seguida, de dois em dois anos até perfazer oito anos.

Os motociclos, triciclos e quadriciclos com cilindrada superior a 250 cc vão passar a estar sujeitos a inspeções periódicas obrigatórias a partir do próximo mês de agosto.

A legislação foi publicada esta quarta-feira (11 de Julho) em «Diário da República» (ver aqui) e indica já todos os pormenores referentes a quando, como e onde devem ser realizadas estas inspeções, semelhantes às que já são feitas aos automóveis, pelas quais o Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres (IMTT) será a entidade responsável.

Assim, os motociclos triciclos e quadriciclos com cilindrada superior a 250 cc, bem como reboques e semirreboques com peso superior a 750 kg, terão de se apresentar a inspeção quatro anos depois da primeira matrícula e posteriormente de dois em dois anos até completarem oito anos, altura em que terão de realizar a inspeção anualmente.

Os aspetos a analisar nas inspeções serão as emissões do motor e os sistemas eletrónicos e mecânicos do motociclo. O regime de deficiências aplicado aos automóveis será o mesmo que se aplicará aos motociclos.

Os veículos devem fazer a inspeção até ao dia e mês correspondentes ao da matrícula inicial. Os proprietários podem ainda optar por realizar a inspeção durante os três meses anteriores à data prevista.

Fonte: autoportal

Nota do autor: desde 2009 que as Inspeções Periódicas Obrigatórias (IPO´s) a motociclos são efectuadas nos Açores. Assim, aconselho leitura deste artigo, bastante completo, a relatar a experiência de uma inspecção. São feitas algumas referências à legislação, que foram actualizadas com o decreto acima mencionado. Ver artigo aqui.

Renault Espanha oferece 2 carros pelo preço de 1

 A Renault Espanha oferece um eléctrico Twizy Urban 45 na compra de um ligeiro de passageiros.

Em Espanha na compra de um veículo de ligeiro, que pode variar entre os 21.300 e os 32. 300 euros, a Renault oferece um Twizy Urban 45 na condição de pelo menos 6 mil euros do ligeiro de passageiros serem obtidos através do produto Renault Box do RCI Banque, a filial financeira da Renault, avança o jornal espanhol “Cinco Días”. O aluguer da bateria do veículo eléctrico, 50 euros por mês também não está incluído na oferta.

A marca francesa recorreu a esta campanha para posicionar o Twizy Urban 45, o mais baixo da sua gama, no mercado espanhol. Este eléctrico caracteriza-se pelas suas reduzidas dimensões: 1,2 metros de largura, 2,3 metros de comprimento e 1,4 metros de altura e por não necessitar de carta de condução para ser utilizado.

A intenção da Renault ao lançar esta promoção de dois pelo preço de um foi dar a conhecer o produto através de uma publicidade inovadora do que obter êxito com a oferta em si, refere o jornal espanhol “Cinco Días”.

O Twizy Urban 45 com 5 cv atinge uma velocidade máxima de 45 km por hora. A diferença de preço face ao modelo superior da gama, Twizy Urban, é de 600 euros. O Urban conta com uma potência de 17 cv e pode alcançar uma velocidade de 80km por hora. Tem a desvantagem em relação ao Twizy Urban 45 é que necessita de carta de condução, categoria B.

O Negócios confirmou que esta campanha não está em vigor em Portugal.

Fonte: jornal de negócios

Condutores obrigados a ter kits para medir álcool no sangue

Todos os condutores que circulem em França são obrigados a ter no carro dois kits para medir álcool no sangue.

A partir de agora, todos os condutores que circulem em França são obrigados a ter nos veículos dois kits para medir o nível de álcool no sangue, sob pena de pagarem uma multa.

A lei, aplicável a franceses e estrangeiros que circulem nas estradas do país (estes últimos terão até novembro para se adaptar às novas regras), pretende incentivar os condutores a fazerem o teste antes de conduzirem, evitando multas por excesso de álcool – 0,5 g/litro é o máximo permitido em França.

O Governo pretende que os números de acidentes e mortos nas estradas diminuam, dado que todos os anos morrem cerca de quatro mil pessoas em acidentes rodoviários, a maioria provocados por excesso de álcool.

Os aparelhos em causa podem ser descartáveis ou reutilizáveis e podem ser comprados nos supermercados ou gasolineiras.

Fonte: autoportal