Portugal: Substituir a bateria de um Nissan Leaf custa 25 mil euros?

Os carros elétricos estão na moda! Segundo dados do relatório da Federação Europeia dos Transportes e Ambiente, Portugal é um dos países da UE onde se compram mais carros elétricos.

No entanto, sempre que se compra um carro é importante ter em conta quando custa a manutenção! Recentemente um utilizador revelou que a substituição de uma bateria do Nissan Leaf custou 25 mil euros?

Portugal: Substituir a bateria de um Nissan Leaf custa 25 mil euros?

Foi no Twitter que um condutor fez saber que substituir a bateria do seu  Nissan Leaf custou-lhe 25 mil euros.  De acordo com as informações, o carro era de 2014 e a bateria a trocar seria de 24kWh. Como é apresentado na fatura, da própria Nissan, só a bateria custaria 19 386, 02 euros (isso mesmo).

Mas calma… o preço é sem iva, o que significa que a nova bateria custará 23845 euros. O resto do valor é referente à mão de obra, tampas e afins.

Portugal: Substituir a bateria de um Nissan Leaf custa 25 mil euros?

Tendo em conta tal valor, é comum dizer-se em Portugal que mais vale comprar um carro novo. De acordo com o site da Nissan, o Leaf tem um preço base de 32.400 €.

Segundo declarações do diretor-geral da Energy Services da Renault-Nissan, Francisco Carranz,as baterias do Nissan Leaf estão desenhadas para ter uma vida útil de 12 anos.  A bateria, fabricada com processos inovadores e tecnologia de ponta, é também 99% reciclável. No final da sua vida útil, os seus componentes são selecionados e reciclados para lhes dar uma segunda vida, promovendo a sustentabilidade e a gestão da energia.

A garantia da bateria cobre a perda de capacidade abaixo de 9 Barras (de um total de 12) por 8 anos ou 160.000 km (o que ocorrer primeiro).

Retirado de pplware

Quanto gasta por mês com o seu carro? (com SIMULADOR)

untitledJoão Pimentel Ferreira desenvolveu o simulador de custos de automóvel mais perfeito que já utilizámos. O simulador, que está a ser promovido pelo Menos Um Carro, o movimento da Carris para uma melhor mobilidade sustentável na Grande Lisboa, contabiliza o seguro, o combustível, as revisões, reparações, possível crédito automóvel, desvalorização do veículo, lavagens, eventuais multas ou Imposto Único de Circulação e chega à conta final.

Pode fazer a simulação neste link.

Através deste simulador ficará a saber o custo médio mensal que tem o seu veículo particular em Portugal. Segundo João Pimental, para tal, o simulador apresenta uma excelente ordem de grandeza para que se aperceba de quantos recursos financeiros aloca em média para o seu veículo.

As despesas com a compra de um carro vão muito além do preço pago na sua aquisição. Há outros custos a considerar, como o seguro obrigatório de responsabilidade civil automóvel, os combustíveis, as revisões e inspeções anuais e o imposto único de circulação.

Se for comprado a crédito, há ainda que incluir a prestação do empréstimo no orçamento familiar.

Geralmente, estas despesas, cujas periodicidades variam bastante, não são contabilizadas na sua totalidade pelos seus proprietários. E é precisamente este o objectivo do simulador: ajudá-lo a ter uma maior percepção da realidade e a fazer uma escolha consciente e sustentável. Valerá mesmo a pena ter um automóvel, ou o transporte público será a melhor opção?

João Pimentel Ferreira, criador do Simulador de Custos de Automóvel, é examinador de patentes no grupo da Física Tecnológica, do Instituto Nacional de Propriedade Intelectual.

Fonte: greensavers

Automóvel: Governo prevê reduzir em 30% custos com ALD

Executivo pretende continuar a redução efectiva da dimensão da frota do Estado, actualmente em cerca de 27.000 veículos. Gama das novas viaturas a adquirir será revista, estimando-se uma redução nos custos.

O Governo pretende “rever as tipologias dos veículos a adquirir e respectivos valores de aquisição, valores de renda ou aluguer mensal”, lê-se na proposta de Orçamento do Estado para 2013, entregue hoje no Parlamento.

“Para os novos veículos a contratar em aluguer operacional ou através de aquisição, aplicar-se-á a redução de nível, prevendo-se uma diminuição da respectiva despesa, na ordem dos 30% por contrato de aluguer operacional”, diz o Governo.

Esta é uma das linhas de actuação que será adoptada durante o próximo ano, da qual faz parte outra que prevê “um controlo apertado na aquisição de veículos, com a regra de abate de no mínimo dois veículos por cada novo veículo adquirido”.

“Em 2013, o Governo pretende continuar a redução efectiva da dimensão da frota do Estado, actualmente em cerca de 27.000 veículos, incluindo veículos das forças de segurança, PSP, GNR e de emergência médica. Entre Dezembro de 2011 e Agosto de 2012 verificou-se uma redução de 607 veículos (menos 2,25%)”, refere o documento.

Fonte: jornal de negocios