Filtros de partículas nos motores a gasolina. E agora?

É já em setembro que entra em vigor a norma Euro 6c. Uma norma que vai obrigar as motorizações a gasolina a reduzir para um décimo o número de partículas emitidas. Como? O filtro de partículas nas motorizações a gasolina é a resposta.

A partir do próximo mês de setembro, todos os automóveis novos vendidos na União Europeia vão ter cumprir a norma Euro 6c. Uma das soluções encontradas para cumprir esta norma passa pela adopção de filtros de partículas nos motores a gasolina.

Porquê agora

O cerco às emissões tem vindo a apertar cada vez mais – e nem os navios escaparam. À parte desse fenómeno, o problema das emissões nos motores a gasolina também se agudizou com a democratização da injeção direta – tecnologia que até há 10 anos estava praticamente circunscrita aos Diesel.

Como sabem, a injeção direta é uma solução que tem os seus «prós e contras». Apesar de aumentar a eficiência energética, o rendimento do motor e reduzir os consumos, por outro lado aumentou a formação de partículas nocivas, ao atrasar o momento de injeção de combustível na câmara de combustão. Como a mistura ar/combustível não tem tempo para se homogeneizar, criam-se «pontos quentes» durante a combustão. É nesses «pontos quentes» que se formam as famigeradas partículas tóxicas.

Qual é a solução

Para já, a solução mais simples passa pela adopção generalizada de filtros de partículas nos motores a gasolina.

Como é que funcionam os filtros de partículas

Vou reduzir a explicação ao essencial. O filtro de partículas é um componente que é colocado na linha de escape do motor. A sua função é incinerar as partículas resultantes da combustão do motor.

Como é que o filtro de partículas incinera essas partículas? O filtro de partículas incinera essas partículas graças a um filtro em cerâmica que está na base do seu funcionamento. Esse material cerâmico é aquecido pelos gases de escape até ficar incandescente. As partículas ao serem sujeitas à passagem por esse filtro são destruídas pelas altas temperaturas.

Resultado prático? Uma redução substancial do número de partículas emitidas para a atmosfera.

O problema desta solução

As emissões vão reduzir mas os consumos reais de combustível poderão aumentar. O preço dos carros também poderá sofrer um ligeiro aumento – reflectindo os custos da adopção desta tecnologia.

Os custos de utilização a longo prazo também poderão aumentar, com a manutenção ou substituição periódica deste componente.

Não são tudo más notícias

Os filtros de partículas têm dado algumas dores de cabeça aos proprietários de automóveis Diesel. Nos automóveis a gasolina esta tecnologia poderá não ser tão problemática porque a temperatura dos gases de escape é superior e a sua complexidade é menor. Logo, os problemas de entupimento e regeneração do filtro de partículas não deverão ser tão recorrentes quanto nas motorizações Diesel. Mas só o tempo o dirá…

Retirado de razaoautomovel

Anúncios

Publicado por

Marcelo Oliveira

Profissional com experiência consolidada na Gestão de Frotas em empresas de serviços de transporte ou com parque automóvel de volume. Mais detalhes em https://marceloxoliveira.com/quem-e-marcelo-oliveira

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s