Há centenas de milhares de multas de trânsito por processar

Serviço externo que assegurava a maior parte da tramitação das contra-ordenações foi interrompido entre Julho do ano passado e Abril deste ano, o que levou à acumulação de centenas de milhares de autos.

Durante este período foi interrompido o serviço externo de tramitação das contra-ordenações rodoviárias, devido ao fim do contrato então existente e ao atraso na conclusão do concurso que se deveria suceder. O procedimento, lançado em Outubro de 2014, atrasou-se “devido à sua dimensão e complexidade”, afirma a ANSR, que precisa dois motivos concretos: o processo de fiscalização do Tribunal de Contas e a discussão dos termos exactos do contrato.

Nesses dez meses, a ANSR apenas contou com os 45 funcionários da instituição que fazem este tipo de serviço, praticamente a totalidade do quadro de pessoal que tem esta entre muitas outras tarefas a seu cargo.

Prescrições vão aumentar

A ANSR reconheceu o problema ao PÚBLICO, mas evita falar no aumento da prescrição das multas. Assume “constrangimentos” durante esse período, “considerando a insuficiência de recursos humanos”, mas diz que “serão desenvolvidos todos os esforços para a recuperação da pendência processual, quer em termos de registo, quer de decisão dos processos de contra-ordenação”.

Numa resposta enviada ao PÚBLICO, a ANSR refere ainda que o Ministério da Administração Interna irá “monitorizar a evolução da tramitação processual de modo a evitar qualquer tipo de prescrição”.

Contudo, tal não parece de todo possível, até porque as prescrições são uma realidade constante no processamento das multas. No ano passado, por exemplo, segundo a própria ANSR, prescreveram 225.880 autos e no ano anterior 199 mil. A prescrição das contra-ordenações nem sempre é imputável à ANSR, já que, por vezes, as multas chegam das polícias, que as passam, já no fim do prazo de prescrição, que é de dois anos.

Tendo em conta o número de autos registados pela ANSR em 2015 — dados que constam do Relatório Anual de Segurança Interna —, em média, por mês, são registadas perto de 98 mil contra-ordenações. Ou seja, em dez meses terão ficado por registar e decidir perto de um milhão de multas, um número que os 95 profissionais (50 juristas e 45 administrativos) da Universidade Católica que começaram a trabalhar a 18 de Abril terão muita dificuldade em recuperar.

Aliás, o próprio contrato com o consórcio Meo, PT Pro e Universidade Católica estabelece metas de trabalho para os juristas: 40 mil propostas de decisão mínimas mensais e oito mil validações de propostas por parte dos coordenadores das equipas. Os valores mostram que, dificilmente, será possível recuperar uma acumulação de centenas de milhares de autos, quando a cadência mensal das multas nunca pára, variando entre os 85 e os 127 mil autos, segundo dados dos últimos quatro anos.

Contrato em Outubro

O processamento das multas foi totalmente interrompido entre Julho do ano passado e Abril deste ano, enquanto o registo de autos foi retomado em Dezembro do ano passado. Esse serviço só foi reactivado durante um mês, tendo sido novamente interrompido até Abril, altura em que o consórcio Meo, PT Pro e Universidade Católica começou a trabalhar.

As três empresas, que vão receber um montante anual de perto de 1,4 milhões de euros para registar e processar as multas, estão obrigadas, igualmente, a digitalizar toda a documentação referente às contra-ordenações e a gerir o respectivo arquivo. O contrato, assinado em Outubro do passado, é válido por dois anos e poderá ser revalidado por mais um ano.

Um dos motivos que explica o atraso do início dos trabalhos tem a ver com o visto do Tribunal de Contas, que só foi atribuído a 6 de Abril deste ano. A análise deste tribunal obrigou a ANSR e o consórcio a assinarem no final de Março passado uma adenda ao contrato inicial. Em causa estava o facto de a caução que o agrupamento Meo, PT Pro e Universidade Católica prestou, no valor de 138 mil euros, ser válida apenas nos dois primeiros anos do contrato, fragilizando-se a posição do Estado se houvesse renovação por mais um ano. A adenda obriga o consórcio a prestar uma nova caução no caso de o contrato ser renovado por um ano.

Retirado de publico

Anúncios

Publicado por

Marcelo Oliveira

Profissional com experiência consolidada na Gestão de Frotas em empresas de serviços de transporte ou com parque automóvel de volume. Mais detalhes em https://marceloxoliveira.com/quem-e-marcelo-oliveira

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s