Tesla. Estrela dos carros elétricos prepara superexpansão em 2016

112-1060x594

Empresa californiana abriu mais de 1600 vagas de emprego e explora novas localizações, à medida que prepara o lançamento do Model 3, que terá um preço mais acessível.

Poucos minutos depois da abertura de portas, às dez da manhã, já há clientes a rondarem um Model S azul-escuro que faz figura à entrada da loja. Na parte de trás, há outra versão num vermelho arrojado, e pelo meio um chassis que mostra as entranhas deste supercarro elétrico. O rodopio de interessados é invulgar para uma marca de nicho, com uma história muito recente e preços que começam nos 70 mil dólares. Há um fascínio estranho associado à Tesla, na proporção inversa do desdém por outras alternativas verdes. Numa altura em que os preços da gasolina atingem mínimos de sete anos, as vendas de carros elétricos estagnaram no mercado norte-americano, mas não para a Tesla. Brilha, e de que maneira, a menina dos olhos de Elon Musk, o carismático CEO

“Todos os carros são feitos à medida e por encomenda”, explica Edison Mellor-Goldman, o dono do espaço da Tesla na histórica promenade de Santa Mónica, Los Angeles. É por isso que ali há apenas dois carros e um chassis em exposição, todos do Model S. A Tesla Motors também não tem muito mais para mostrar. O Model X, um SUV de luxo revelado no final de setembro, só há pouco tempo começou a chegar aos primeiros compradores. O Roadster, um desportivo de dois lugares que marcou a estreia da marca nas estradas do mundo em 2008, custava 101 mil dólares e deixou de ser vendido três anos depois

O grande salto

A Tesla não é uma marca para as massas, mas tornou o carro elétrico desejável. Apesar de se posicionar no segmento premium, vendendo por mais do dobro do preço de outras opções como o líder mundial Nissan Leaf (cerca de 30 mil euros) ou o BMW i3 (a partir de 38 250 euros), está na liderança do mercado norte-americano e em segundo no global do segmento. Este mês assinala a entrega de 100 mil sedan Model S desde o lançamento, em 2012, e agora Elon Musk está mais ambicioso. Acaba de abrir 1649 vagas para várias localizações no mundo, procurando desde engenheiros a designers de loja, numa vaga maciça de contratações que espelha o salto pretendido para o próximo ano. Na Europa, há ofertas em Amesterdão, Munique, Geneva, Paris, Londres, Antuérpia, Berlim, Oslo, e a lista continua. É que a empresa, cotada em bolsa desde 2010, precisa de crescer e sair do vermelho. As vendas em 2014 atingiram os 3,2 mil milhões de dólares, uma subida de 60%, mas os prejuízos cresceram para 294 milhões. Aliás, a Tesla nunca teve lucros anuais desde que foi fundada, em 2003

Entra aqui o próximo carro, Model 3, que será lançado em 2017 com um preço mais baixo, 35 mil dólares. Musk acredita que pode vender entre 300 e 400 mil por ano, acumulando com 100 mil Model S e Model X para chegar a meio milhão de carros/ano. Para pôr isto em perspetiva, nos primeiros nove meses de 2015 a líder global Toyota vendeu 7,49 milhões de unidades. As previsões de quantos carros elétricos terão sido vendidos no mundo em 2015 oscilam entre 430 e 600 mil, com Estados Unidos, China e Japão à cabeça

O preço não tem sido um obstáculo nas vendas do Model S, diz Edison Mellor-Goldman. Este espaço, que não é bem um stand (é uma espécie de Apple Store para carros), vende cerca de dez Model S por dia, às vezes quinze, e as várias configurações podem levá-lo até aos 90 mil dólares. “Vendemos mais carros do que aqueles sacos de viagem”, refere o gerente, apontando para as prateleiras de merchandising onde também se encontram t-shirts, bonés e outros acessórios. É espantoso ver esta seleção de brindes aqui, fazendo lembrar marcas de culto como a Ferrari. Edison explica: “esta zona [Santa Mónica] é turística, e temos muitos estrangeiros que vêm por curiosidade. Como não têm Tesla nos seus países, levam um boné ou camisola porque gostam da marca

Interesse em Portugal

É o caso de Portugal, onde não há Tesla mas há compradores, diz ao Dinheiro Vivo um responsável europeu de comunicação da marca, Charles Delaville. “Temos detentores de Model S em Espanha e Portugal. Mas não revelamos números de vendas por mercado”, refere. Quem vive na Península Ibérica pode comprar um Model S online, “mas terá de o ir buscar à Holanda, à nossa fábrica de montagem em Tilburg”.

É possível que, com o Model 3, as coisas mudem. “No que respeita a expansão, continuamos a explorar novos mercados e localizações, mas não temos nada para anunciar neste momento.” Essa expansão da empresa tem acelerado nos últimos três anos. Está em 19 países, incluindo vários na Europa, mas a crise deve ter pesado na decisão de não investir no mercado ibérico, cujo poder de compra é inferior a países mais pequenos como Suíça e Luxemburgo. O centro de suporte e operações na Europa está na Holanda, e está também em crescimento a rede de estações de supercarregamento. São locais onde os donos de um Tesla podem carregar a bateria de graça e com mais rapidez do que em casa: em vinte minutos, carregam metade. O Model S vem com duas opções de bateria, 60 kilowatt/hora (70 mil dólares) ou 85 kW/hora (80 mil dólares). Cada carga dá para 380 a 430 quilómetros, o que só coloca problemas em viagens longas. É por isso que há estações Tesla nas auto-estradas. Ninguém ficará apeado só por ter um carro elétrico, assegura Edison.

210-740x415

Luxo em versão eléctrica

A Tesla conseguiu algo que ninguém tinha sequer tentado – tornar os carros 100% elétricos, zero emissões, em objetos de desejo, com potência, a rivalizar com os melhores modelos de luxo. Primeiro um desportivo, depois um sedan, agora um SUV. Todos com autonomia superior aos rivais. O Morgan Stanley chamou-lhe “a construtora automóvel mais importante do mundo

A boa impressão começa no design, antes mesmo de entrar e experimentar o motor elétrico. Não tem chaves nem botão start, basta pressionar de forma ligeira o puxador e a porta abre-se como Sésamo. Lá dentro, é mais espaçoso do que parece. O computador de bordo assemelha-se a um iPad gigantesco (tem 17 polegadas) e todo o software do carro é controlado neste painel. “O formato é muito aerodinâmico, muito elegante. Não tenho um, mas conduzo vários regularmente”, diz Edison Mellor-Goldman. Vai dos 0 aos 100 em 2.8 a 5.2 segundos, conforme a versão, e está equipado com piloto automático. Tem duas bagageiras, uma à frente e outra atrás. Velocidade máxima? 225 a 250 km/h.

É preciso entrar num Model S para perceber o sucesso que tem feito. No terceiro trimestre de 2015, a Tesla entregou 11 603 carros, e só em novembro vendeu cerca de 3200, quase o triplo em relação a novembro do ano passado. Isto numa altura em que as vendas de carros elétricos estão a cair 20% nos EUA, onde a gasolina está barata; no mercado de ligeiros, a fatia dos elétricos caiu para 2,2%, a mais baixa desde 2011 e depois de um pico de 3,7% em novembro de 2013. Muitos clientes preferem agora comprar um SUV eficiente – representam um terço do total do mercado – precisamente o segmento em que se posiciona o novo Model X, apesar do preço avultado, entre os 81 200 e os 15 1450 mil dólares.

E agora?

Apesar dos avanços, a Tesla tem tido uma aventura conturbada – ainda não cumpriu uma única data de lançamento, nunca teve lucros e o fundador e criador da empresa, Martin Eberhard, foi afastado de forma pouco clara numa disputa com Musk, que entrara como investidor, que acabou com processos em tribunal. Há quem acredite que a Tesla nunca sairá do nicho dos carros de luxo e não conseguirá revolucionar um mercado em necessidade de disrupção. Há quem diga que o software é a verdadeira inovação da construtora – que também desenha e produz componentes de carros elétricos para outras marcas, como a Daimler e a Toyota

Em breve também haverá mais concorrência: a Mercedes está a desenvolver um rival do Model S, para sair em 2018, e este ano apareceu na Califórnia uma misteriosa nova empresa no segmento. A Faraday Future, que se chegou a julgar ser a Apple disfarçada, é um investimento do milionário chinês Jia Yueting e planeia montar a sua fábrica no Nevada – onde a Tesla tem uma fábrica de baterias. O primeiro vislumbre do carro-conceito da Faraday será apresentado no Consumer Electronics Show, em janeiro, onde a Tesla deverá marcar presença. Afinal, tudo isto está na intersecção entre engenharia e tecnologia – e não é por acaso que Elon Musk, um dos cofundadores do PayPal, é um dos filhos pródigos de Silicon Valley.

Retirado de dinheirovivo
Anúncios

Publicado por

Marcelo Oliveira

Profissional com experiência consolidada na Gestão de Frotas em empresas de serviços de transporte ou com parque automóvel de volume. Mais detalhes em https://marceloxoliveira.com/quem-e-marcelo-oliveira

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s