Veículos elétricos e car sharing não seduzem empresas portuguesas

fuelvseletricidade427As empresas portuguesas estão cada vez mais rendidas aos veículos elétricos, híbridos e movidos a gás. Com a implementação da Reforma da Fiscalidade Verde, estes veículos tornaram-se mais competitivos do que os tradicionais movidos a gasóleo ou gasolina.

As empresas têm ponderado vantagens e desvantagens e até não descartam a hipótese de vir a introduzir mais veículos amigos do ambiente nas suas frotas, mas, para já, esse cenário está ainda longe da realidade, revela o último inquérito realizado no âmbito do Observatório da Competitividade Fiscal da Deloitte.

Na verdade, apenas metade dos inquiridos admitiu a hipótese de adquirir veículos elétricos, híbridos plug-in ou carros movidos a gás (GPL ou GNV), e, ainda assim, só se a balança de vantagens e desvantagens pendesse com mais intensidade para o lado das vantagens.

No entanto, 49% dos participantes neste inquérito nem sequer coloca a hipótese de vir a comprar veículos desta natureza para as frotas das organizações que representam. Além disso, 58% dos inquiridos considera também que a introdução da taxa de carbono, no âmbito da Reforma da Fiscalidade Verde, não teve qualquer impacto na sua empresa.

Quanto ao car sharing, enquanto partilha de veículos entre colaboradores, 79% das empresas não pondera sequer recorrer a um sistema deste género. E de nada serviram os incentivos fiscais, nomeadamente a majoração de custos em sede de IRC e de IRS.

Gestoras de frotas atestam relutância das empresas

A Fiscalidade Verde e as Oportunidades para as Frotas Empresariais, um estudo promovido pela LeasePlan, uma das maiores empresas gestoras de frotas no mercado nacional, confirma que o desagravamento fiscal a que os veículos mais amigos do ambiente ficaram sujeitos no âmbito desta reforma veio conferir competitividade aos veículos movidos por motores elétricos, híbridos plug-in e movidos a gás.

Ainda assim, apesar do desagravamento fiscal introduzido em nome de uma mobilidade alternativa sustentável, a LeasePlan encontrou ainda alguma relutância das empresas em relação às vantagens, incentivos e tributação destes veículos.

Esta resistência prende-se sobretudo com o facto abrangidos pela reforma da Fiscalidade Verde constituírem apenas uma parte residual na frota-tipo das empresas, que continuam a dar prioridade aos veículos movidos a gasolina e gás. E de acordo com a gestora de frotas que promoveu o estudo, dificilmente esta realidade deixará de ser verdade na maior parte das frotas das empresas portuguesas. Sendo assim, o impacto desta reforma nas contas das empresas perde alguma relevância.

Retirado de Santander Advance

Anúncios

Publicado por

Marcelo Oliveira

Profissional com experiência consolidada na Gestão de Frotas em empresas de serviços de transporte ou com parque automóvel de volume. Mais detalhes em https://marceloxoliveira.com/quem-e-marcelo-oliveira

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s