Governo quer criar cluster português da mobilidade eléctrica

835456A Efacec já tem espalhados pelos cinco continentes 2700 carregadores de veículos eléctricos, em Vila Nova de Gaia a CaetanoBus aposta na reconversão autocarros a diesel em veículos eléctricos e está a concurso para o fornecimento de seis unidades a um aeroporto alemão. Do CEiiA, na Maia, está a sair a tecnologia das soluções de mobilidade inteligente com que Curitiba e Brasília querem impressionar os visitantes durante o campeonato mundial de futebol. A mobilidade eléctrica é um mundo que se abre para as empresas portuguesas e abre Portugal ao investimento de grandes empresas internacionais. Essa é a convicção do ministro Jorge Moreira da Silva.

O governante que tem a pasta do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia tem a ambição de ver Portugal como grande abastecedor de energias renováveis da Europa, mas quer também o país a dar cartas na mobilidade eléctrica.

Na semana passada, o Governo aprovou um diploma para dinamizar a utilização de veículos eléctricos em Portugal, pondo fim à fase piloto da actual rede de mobilidade eléctrica e abrindo-a à exploração comercial. Mas este é, segundo o ministro, apenas o primeiro passo de uma estratégia mais ampla, que visa criar no país um projecto industrial, capaz de criar emprego e gerar crescimento económico.

Esse foi o mote para um dia de visitas a várias empresas e entidades da cadeia de valor da mobilidade eléctrica – a Enercon, a Salvador Caetano, o CEiiA, a Efacec e o INESC TEC – onde o ministro deixou bem clara a mensagem: se Portugal já “é um campeão nas energias renováveis”, tem “recursos, talentos e infra-estruturas” para se constituir “como fornecedor e exportador de tecnologia” na mobilidade eléctrica, mas também como o mercado adequado para que os grandes players internacionais instalem aqui as suas unidades produtivas. O PÚBLICO acompanhou o ministro nesta viagem que se realizou de comboio até ao Porto (assim como o regresso) e, nas deslocações entre as empresas e centros de investigação, em veículos eléctricos.

“Quando outros países podem ter carros eléctricos movidos a carvão e a [energia] nuclear, Portugal tem carros movidos a sol, vento e água, e isso faz toda a diferença”, quer a nível ambiental, quer como cartão-de-visita do país como referência internacional no sector. E por considerar que a aposta na mobilidade eléctrica é “articulada com a aposta nas energias renováveis” e na redução da dependência dos combustíveis fósseis, a primeira paragem do ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia neste “roteiro para o crescimento da economia verde” foi a empresa do sector eólico Enercon, em Viana do Castelo.

Com uma capacidade instalada que em Março rondava os 2679 mega wats e, no âmbito do concurso público de 2008, 1200 mega wats de potência contratada, a empresa já canaliza entre 70% a 80% da sua produção industrial (aerogeradores, torres de betão, pás de rotor e mecatrónica) para exportação (em 2013, as vendas para o exterior cresceram 20% e atingiram os 245 milhões de euros). O grupo, que já investiu 120 milhões de euros, tinha, no final de Março, 1581 colaboradores, mas até final do ano prevê atingir um total de 1644 pessoas. Moreira da Silva gostava “que se replicasse na mobilidade eléctrica o que aconteceu na Enercon”, “que começou por fornecer o mercado nacional, mas orientou a sua produção para a exportação”.

Carregadores portugueses em 29 países

Na Efacec (Maia) as exportações ligadas à mobilidade eléctrica são já uma realidade e representam 1,4% das receitas do grupo. As vendas de carregadores (em 29 países) atingiram 10 milhões de euros em 2013 e a meta é chegar aos 200 milhões em 2020. Os principais mercados de exportação são os Estados Unidos e a Europa e, no dia da visita do ministro (11 de Abril), a Efacec, que forneceu os carregadores para a actual rede pública de mobilidade, tinha assinado um contrato para o fornecimento de uma rede de 60 carregadores rápidos para a Holanda e a Bélgica.

Como na investigação em mobilidade eléctrica, o INESC TEC (da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto) e o CEiiA – Centro para a Excelência e Inovação na Indústria Automóvel, na Maia, são duas referências incontornáveis, Jorge Moreira da Silva também passou por lá. No CEiiA, onde se situa o “cérebro” da actual rede de mobilidade eléctrica (o sistema Mobi.Me, que gere e monitoriza o funcionamento da rede e todos os consumos a ela associados), a convicção é que Portugal “dispõe de todas as condições tecnológicas e humanas para ver crescer o cluster da mobilidade eléctrica”, sendo já uma “referência mundial” neste domínio.

O centro está a desenvolver vários projectos de monitorização de redes de mobilidade eléctrica no Brasil e dois deles, em Curitiba e Brasília, decorrerão durante o campeonato mundial de futebol de 2014, assumindo-se como uma verdadeira montra para a tecnologia portuguesa em soluções que prevêem a partilha de automóveis e bicicletas eléctricos e a coordenação de uma rede de mini-autocarros eléctricos. Na parceria com a ITAIPU, líder mundial das energias renováveis, está ainda em cima da mesa a criação de um veículo eléctrico inteligente, partindo de um protótipo do CEiiA (o BE), com comercialização prevista entre 2016 e 2017.

Anúncios

Publicado por

Marcelo Oliveira

Profissional com experiência consolidada na Gestão de Frotas em empresas de serviços de transporte ou com parque automóvel de volume. Mais detalhes em https://marceloxoliveira.com/quem-e-marcelo-oliveira

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.