Três milhões de carros eléctricos circularão em 2020

Três milhões do total de veículos que estarão em circulação em 2020 em todo o mundo serão elétricos, como resulta das conclusões dos especialistas que participaram da conferência da Motortec Automechanika Ibérica, com sede em Madrid.

Para o próximo ano, esta entidade estima que haverão cerca de 300.000 veículos em todo o mundo, do total de 82 milhões que são produzidas anualmente.

No entanto, especialistas que participaram no encontro, referiram que 1,2 milhões de unidades da produção mundial total de 2012 terá tecnologia híbrida, segundo a empresa de serviços de pós-venda, Gt Motive organizador do evento.

Para esses profissionais, a passagem do automóvel de combustão para o automóvel híbrido e veículos elétricos, eventualmente, será uma realidade e em poucos anos a totalidade da frota automóvel em todo o mundo será eléctrica, embora o processo seja lento e, às vezes, caro.

Anúncios

Parlamento Europeu aprova nova lei das motos

A União Europeia aprova nova legislação no que respeita às motos, aos triciclos e quadriciclos.

A partir de 2016, os estados membros deixarão de poder restringir a potência de origem dos motociclos (como era o caso da França onde a potência das motos estava limitada a 74Kw ou 100cv).

Nos países onde existam limitações no âmbito da licença de condução, serão implementadas medidas que impeçam quaisquer alterações às especificações de fábrica dos veículos limitados. No entanto as motos de versão “não limitada” ficaram de fora desta decisão, muito por força de diversos grupos motociclistas que tiveram um importante papel nesta negociação.

Por outro lado, todos os motociclos com cilindrada superior a 125cc terão de ser equipados com ABS, enquanto os ciclomotores, com cilindrada compreendida entre os 51 e os 125cc, terão que obrigatoriamente ser equipados pelo menos com CBS (sistema de travagem combinada nas duas rodas).

Outro grande passo foi entretanto dado no combate à emissão de poluentes. Em 2016 entrará em vigor a norma Euro4 e já está decidido que em 2020, com a entrada em vigor da norma Euro5, esta irá abranger todas as categorias de motociclos. Ficou ainda estabelecido que os fabricantes terão de garantir os baixos níveis de emissões de poluentes durante toda a vida do veículo, pelo que terão que provar que os dispositivos de controlo têm uma duração de pelo menos 35.000 km. E por forma a favorecer os consumidores, o fabricante deverá garantir acesso sem qualquer restrição à manutenção e reparação dos diversos sistemas.

O texto integral deste comunicado pode ser encontrado no site da FEMA. Basta seguir o link aqui.

Fonte: motociclismo

Portugueses acreditam que podem economizar na manutenção com um carro elétrico

Cerca de 70% dos automobilistas portugueses estão convencidos de que a tecnologia elétrica trará maior facilidade na manutenção. Apesar do valor médio se um carro elétrico ser alto, o investimento no veículo elétrico revela-se assim um investimento rentável a medio-longo prazo, quando comparado com o seu equivalente térmico. São dados divulgados na 6.ª edição do Caderno Automóvel do Observador Cetelem.

Os mais confiantes com a questão da manutenção são os turcos: 83% dos inquiridos mostra-se convicto de que a manutenção do veículo elétrico será bem mais fácil do que a de um veículo térmico clássico. Uma convicção igualmente partilhada pelos russos, polacos e espanhóis (72%). Pelo contrário, os belgas (64%), os britânicos (63%) e, sobretudo os alemães (57%), revelam-se menos otimistas quanto à facilidade de manutenção de um veículo elétrico.

O Observador Cetelem revela ainda que cerca de um em cada dois europeus não acredita que a rede regular de oficinas seja capaz num futuro próximo de assegurar a manutenção de um veículo elétrico. Os portugueses e os britânicos são os mais reticentes no que se refere a esta questão. Respetivamente, 83% e 72% dos inquiridos não planeiam efetuar qualquer manutenção através da rede tradicional.

Nesta 6.ª edição do Caderno Automóvel do Observador Cetelem o perímetro do estudo foi alargado a dez países. Pela primeira vez, a Rússia e a Turquia integraram o estudo, juntando-se à Alemanha, Bélgica, Espanha, França, Itália, Polónia, Portugal e Reino Unido. No total foram inquiridos 6.000 europeus, representativos da população total.

Fonte: turbo

Bugatti Veyron de 1600cv em contagem decrescente

Sucessor do Veyron SuperSport promete arrasar. Fala-se em 470 km/h, sem
limitador

A Bugatti confirmou oficialmente que o sucessor do Veyron SuperSport será apresentado em setembro do próximo ano, no Salão Automóvel de Frankfurt, na Alemanha.
Em declarações à britânica «Auto Express», o engenheiro chefe da Bugatti, Jens Schulenburg revelou que um dos objetivos é desenvolver um carro cerca de 250 quilos mais leve que o Veyron atual. A tecnologia híbrida é também uma aposta, admitiu Schulenburg.
O Veyron é potente, rápido, monstruoso, mas também muito pesado: 1.800 kg. Por isso, os técnicos da marca estão focados em tirar 250kg, que deverá ser conseguido com o recurso a materiais leves como a fibra de carbono, incluindo nas jantes. Este tipo de roda tem um peso em torno de 3 kg, muito menos que uma roda convencional em liga leve.
Por outro lado, o imponente motor W16 de quatro turbos deverá ver a sua capacidade aumentada de 8,0 para uns impressionantes 9,6 litros. A associação de um motor elétrico deverá permitir ao conjunto alcançar uma potência de 1600cv, mais 400cv que no Veyron SuperSport (na imagem).
Certo é que as performances deverão ser mais que suficientes para o superdesportivo ficar «a salvo» de qualquer adversário na luta pelo título de carro de produção mais rápido do mundo.
Para já fala-se numa aceleração dos 0 aos 100 km/h em incríveis 1,8 segundos e uma velocidade máxima, possivelmente limitada, de 450 km/h. Sem limitador, o superdesportivo deverá ser capaz de ficar muito próximo dos 470 km/h.
O sucessor do Veyron SuperSport não será, no entanto, a única «bomba» a ser lançada no próximo ano. A Ferrari está também a preparar a apresentação do novo Enzo, conhecido internamente como F70, enquanto a McLaren já testa a versão de produção do P1, o sucessor do emblemático F1 da década de noventa.

Fonte: autoportal

Deco diz que gasóleo premium ou low cost é todo igual

O gasóleo vendido em Portugal é todo igual. Não há diferença entre as gamas premium e as mais baratas. A conclusão é da Deco – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor, que anunciou que vai denunciar o caso às autoridades e enviar um abaixo-assinado ao Ministério da Economia.

A Deco testou quatro tipos de gasóleo considerados líderes de mercados – Galp Gforce, Galp Hi-Energy, Jumbo e Intermarché – e concluiu que, seja combustível  “low cost, regular ou premium”, após 12 mil quilómetros percorridos por quatro viaturas distintas, cada uma com uma gama diferente, “é tudo igual ao litro”.

A associação avança no seu site que nos quatro automóveis testados foram verificados “consumos muito idênticos” e que no interior do motor não foram registadas “diferenças relevantes nos depósitos”. “Em matéria de consumo, medimos uma diferença sem significado: 0,13 litros aos 100km entre o pior e o melhor caso, ou seja, uma diferença de 2%. Por exemplo, a pressão incorrecta nos pneus aumenta o consumo em 5%, o que equivale a mais 0,33l/100km”, adianta.

Perante a diferença de preço entre o gasóleo Gforce e Hi-Energy, a Deco considera que há uma “acção enganosa” e “prática comercial desleal”. “As promessas de menor consumo, menores emissões poluentes e maior protecção do motor com poupanças futuras não passam de marketing para cobrar mais uma dezena de cêntimos ao litro”, acusa.

A associação diz já ter denunciado o caso às autoridades e que começou a recolher assinaturas para um abaixo-assinado que será entregue depois ao ministro da Economia.

O secretário-geral da associação de defesa do consumidor Deco, Jorge Morgado, afirmou em conferência de imprensa, esta sexta-feira, que “não há razão para o consumidor não comprar o gasóleo mais barato”.

A Deco sublinha que é “urgente” criar um regulador para o sector “que defenda os consumidores e fixe coimas realmente eficazes”.

Fonte: publico

NOTA: poderá obter mais informações deste teste em http://www.igualaolitro.pt/ ou visualizar o seguinte vídeo:

Brisa reduz 1,2 l/km com formação

A Brisa conseguiu uma redução média de emissões em 0.030 KgCo2/km e uma queda no consumo de combustível de 1,20l/100km, com as 14 acções de formação sobre eco-condução, que envolveram 187 formandos das várias empresas do Grupo, num total de 112 horas de trabalho directo.
Tendo em conta a média de km percorridos pela frota do Grupo Brisa em 2010 (42 000 km/ano) e o número de participantes da Academia Brisa de Condução pode concluir-se que poderão ser alcançados valores de poupança anual a rondar os 124.320 euros e os 225.566 kg de poupança em emissões de CO2.
A Academia Brisa de Condução, projecto iniciado em Setembro de 2011, tem o objectivo de fomentar a prática de uma condução segura e sustentável entre os colaboradores que conduzem viaturas Brisa.

Fonte: fleetmagazine

As 10 multas mais elevadas do mundo

10. EUA – 1,919 €

Para começar, falamos sobre a possibilidade de realmente atingir esse nível de multas. Mas sim, a legislação de alguns estados dos EUA permite que multas de velocidade acima do limite legal possam chegar a alcançar 1.919 €. Além disso, o motorista em questão pode mesmo ser obrigado a cumprir tempo de prisão se a sua condução é considerado imprudente pelo tribunal em vários estados federais.

9. Noruega – 10% do rendimento anual

Os escandinavos são especialistas em multas astronômicas por excesso de velocidade. A Noruega não é excepção e requer 10% do orçamento anual para aceleras. Além disso, qualquer crime relacionado com excesso de velocidade também será punido com pelo menos 18 dias de prisão, serviços sociais ou a apreensão da carta durante 3 anos.

8. Condutor de Porsche 911 – 6,141 €

As multas anteriores foram meros exemplos, mas esta é a realidade: um motorista de um Porsche 911 no Reino Unido foi apanhado a conduzir a 277 km/h em uma estrada rural. A multa foi de 6.141 €. A decisão final resultou num pagamento de 959 € e uma pena de prisão de 10 semanas. Uma nota: as multas de velocidade no Reino Unido estão em torno de uns modestos 77 €.

7. Condutor canadiano – 6,524 €

Outro membro da Commonwealth que tem uma política muito mais rigorosa. As autoridades canadianas multaram um condutor apressado que passou em frente à câmara de vigilângia nuns aparentemente dolorosos 6.524 €. Mas com um limite máximo para as multas fixadas nos 19.210€, esta decisão parece bastante generosa.

6. Motard canadiano – 9,210 €

Menos sorte teve um motard no estado de Alberta, Canadá, que foi surpreendido com uma velocidade de 264 kmh. A multa que recebeu do tribunal, no valor de 9.210 €, foi bem menos generosa. Pelo menos não lhe foi retirada a carta de condução.

5. Antti Rytsola – 11,821 €

Ao entrar no top 5 das maiores multas por excesso de velocidade de todos os tempos significa entrar em território finlandês. Nenhum outro país do mundo penaliza os criminosos da velocidade como os finlandeses. Como verá no próximo caso, a multa de 11.821€ que Antti Rytsola recebeu por puxar pelo seu Lamborghini, ainda é uma sentença leve.

4. Teemu Selanne – 30,857 €

Menos afortunado foi o jogador de hóquei finlandês Teemu Selanne, que foi multado em 30.857 € por excesso de velocidade em 2000. E como é possível ser emitida uma multa tão astronómica? O sistema finlandês é baseado no rendimento do condutor, o que significa que até mesmo infrações relativamente pequenas da lei podem resultar em multas exorbitantes.

3. Jaakko Rytsola – 57,380 €

Outra vítima do sistema finlandês de multas baseado no rendimento foi Jaakko Rytsola, irmão de Antti Rytsola, que recebeu uma conta de 57.380€ depois de dar bom uso ao acelerador do  Lamborghini. Os dois irmãos tinham feito milhões num negócio de internet e foram correspondentemente altos os custos pelo seu amor à velocidade.

2. Anssi Vanjoki – 79,225 €

Em 2000, o vice-presidente da Nokia, Anssi Vanjoki, foi apanhado pela polícia conduzindo a sua Harley-Davidson a uma velocidade ilegal através de Helsínquia. Com base no seu alto rendimento anual, o tribunal multou-o em 79.225 €. No entanto, o gestor não foi uma presa fácil e entrou com um pedido de recurso que, posteriormente, resultou numa redução da coima para 4.034 €.

1. Jussi Salonoja – 153,834 €

A multa mais alta registrada até a data, uns surpreendentes 153.834 €, foi emitida a Jussi Salonoja, 27 anos de idade, na Finlândia, que teve a “infelicidade” de ter um saldo de 8,8 milhões de euros na conta bancária. A multa foi baseada no seus rendimento e não em excesso de velocidade. Viajar a 80km/h numa zona de 40km/h iria provavelmente traduzir-se numa quantia bem mais modesta em qualquer outro país.

Fonte: bestontop10

Comportamento dos Pneus em Austin

A Pirelli, fornecedora de pneus para a Fórmula Um, divulgou vídeo com animação, no qual mostra volta virtual no circuito de Austin, palco da penúltima etapa do Mundial de F1, que foi disputada este domingo (18).

A animação mostra como os compostos se comportam nas curvas, a temperatura, velocidade, pressão e força G.

Acompanhe:

Fonte: diariodonordeste

Número de carros em 2035 pode chegar a 1,7 mil milhões

Em 2035, um total de 1,7 mil milhões de carros estará a circular pelas ruas de todo o mundo, de acordo com a IEA (instituto internacional de energia, em inglês).

Ainda segundo o instituto, o volume de carros movidos somente a energia eléctrica representará um total de 4% dos veículos. Híbridos corresponderão a 20%, enquanto os com propulsão a gás natural serão apenas 3%. A China, o país mais populoso, será responsável por grande parte desta frota. Segunda o instituto, em 2000, o país asiático registava quatro carros para cada 1.000 habitantes. Em 2010, foram 40 e, para 2035, a entidade espera que 310 carros estejam na rua para cada 1.000 habitantes.

A expectativa é que até 2035, 400 milhões de carros estejam a circular nas ruas chinesas; o volume actual é de 60 milhões.

Fonte: diariodigital

10 Leis Rodoviárias Absurdas (Edição Animal)

Podemos assegurar-lhe que alguns legisladores foram criativos, especialmente os americanos, porque alguns deles não se esqueceram de incluir os nossos amigos animais. Algumas leis foram criadas para protegê-los e algumas não podem mesmo encontrar justificação racional para a sua existência.
Isto não é uma piada, são leis a sério.

10. África do Sul

África do Sul é sinônimo de vida selvagem. O país tem cerca de 10% de todas as espécies conhecidas de plantas da Terra, e uma grande variedade de mamíferos que às vezes gostam de aparecer nas cidades para fazer uma visita a outros seres humanos. Para mostrar o devido respeito foi estabelecido que não é ilegal parar ou diminuir a velocidade, se há animais que atravessam a estrada. Bravo!

9. Alaska

O povo do Alasca deve estar cheio de pessoas muito boas, uma vez que decidiu tornr ilegal amarrar um cão no telhado de um carro. Ainda assim, nem todo mundo acha que isso faz sentido, não é, Mr. Romney?

8. California

Um grande exemplo de como os legisladores da Califórnia são muito criativos. É ilegal disparar a lebres do banco de trás do carro. Talvez o objetivo aqui era evitar um tiroteio estilo de gangsters dos anos 30 e 40, ou ajudar a diminuir a taxa obesidade do estado, obrigando os habitantes a exercitar-se um pouco mais. Estamos curiosos!

7. Connecticut

O Connecticut é conhecida como a terra de certos hábitos, sendo um estado influente no desenvolvimento do governo federal do país. Por aqui, nós pensamos que esses hábitos eram entrar no carro e fazer uma viagem para a caça desenfreada e, talvez, levou a alguns problemas, porque agora é ilegal caçar a partir do carro, mesmo durante a temporada de caça de veados.

6. Kansas

No Kansas, estado natal de Dorothy e seus sapatos vermelhos de rubi, acredita-se que seja um dos mais ventoso dos Estados Unidos. Não podemos deixar de pensar se isso teve alguma influência sobre as leis em vigor no estado, e que diz que é ilegal transportar aves mortas ao longo da Kansas Avenue. Apostamos que você não queIra que o cheiro se espalhe com o vento.

5. Florida

A Flórida é o estado do sol, mas nunca pensei que já tinha sido uma savana! E você pode perguntar por que? Bem, há uma lei que diz que se um elefante for amarrado a um parquímetro, a taxa de estacionamento tem de ser paga, como no caso de um veículo. Talvez há muito tempo as pessoas usassem elefantes em vez de cavalos na Florida … quem sabe!

4. Nevada

O estado de Nevada é cercado pelo deserto de Mojave e por suas montanhas. Então, se você quiser atravessá-lo, prepara-se para uma viagem longa e solitária. Mas nós lamentamos informá-lo de que, se você quer fazê-lo tem que usar o bom e velho carro, porque o Estado proibiu o uso dos camelos como meio de transporte na rodovia. Mas não fique triste, pelo menos vai ser uma viagem muito mais rápida!

3. Florida

A Flórida também é famosa pela sua vida selvagem, jacarés, pântanos, flamingos e golfinhos, então imagine o quanto os seus moradores gostam de pescar também. Mas esta paixão já passou o limite do razoável? Permanece em aberto, uma vez que é ilegal a pesca enquanto você está atravessando uma ponte de carro. Provavelmente não seria o melhor lugar para atirar a linha de pesca!

2. California

A Califórnia tem uma verdadeira coleção de leis de trânsito, pelo menos, digamos, bizarras. Uma proíbe qualquer pessoa de atirar vida selvagem de um veículo em movimento (esta parte não é tão louco) a menos que o alvo seja uma baleia (esta parte já arruína com tudo). Cuidado com estes animais que vemos todos os dias na rua, as baleias! Não diga que não avisei…

1. Pennsylvania

Se está a pensar fazer uma viagem de carro através da Pensilvania, então há algo que deve saber. Qualquer condutor que avista uma manada de cavalos deve desviar-se da estrada e tapar o carro com algo que se funda com a paisagem e deixar os cavalos passar. Se os cavalos se mostrarem assustados, então tem somente que desmontar o carro e esconder as peças! Pobres cavalos…

Fonte: bestontop.blogspot